Círculos mágicos Mandalas

 

A maioria dos Mandalas são circulares. O círculo encerra, protege, conforta. Nos rituais mágicos não pode faltar um círculo protetor. Nos rituais de cura e iniciações os participantes arranjam-se em círculos ou são colocados dentro deles. Devido as suas sensibilidades extremas, as crianças, desde muito cedo, aprendem a brincar de roda e seus primeiros desenhos são tentativas de imitar um círculo.

 

Stonehenge

 

Os mandalas estão por toda a parte.

 

Galáxia

 

Tudo no Universo é um Mandala,  sua estrutura circular é semelhante às células do corpo, às estruturas subatômicas,  ao sol, a lua e as estrelas.

 

Sistema Solar

 

Podemos encontrar com facilidade a utilização dos mandalas em pinturas antigas, nas esculturas, vitrais de igrejas antigas e arquitetura. Abaixo o vitral norte, da Catedral de Notre-Dame, de Paris.

 

Parte externa do vitral Parte interna do Vitral

 

A seguir um mandala Asteca, do período pré-colombiano.

 

Mandala Asteca

 

Dos povos primitivos ao homem contemporâneo, a disposição circular sempre foi largamente utilizada em suas construções e agrupamentos. O círculo é a disposição do universo e da natureza, que não criam linhas retas; estas, são um produto puramente humano. A modernidade trouxe linhas retas e duras no design de seus edifícios. 

 

Beijin

 

Acima Beijin, na China e abaixo o círculo mágico de Stonehenge, na Inglaterra.

 

Stonehenge

 

Usando um pouco de sensibilidade percebermos que temos no círculo algo de sagrado, de místico e de essência maravilhosa.