"Sonetos"

 

 

Com o romantismo peculiar da juventude, durante os anos de ensino médio,

colecionei muitos sonetos.

Os mais belos e que curti muito, estão abaixo:

 

 

 

 


 

A Felicidade

Guilherme de Almeida

 

Só a leve esperança em toda vida,

Disfarça a pena de viver mais nada;

Nem é mais a existência resumida,

Que uma grande esperança malograda.

 

O eterno sonho da alma desterrada,

Sonho que a traz ansiosa e embevecida,

É uma hora feliz sempre adiada,

E que não chega nunca em toda vida.

 

Essa felicidade que supomos

Árvore milagrosa em que sonhamos

Toda arreada de dourados pomos,

 

Existe, sim; mas nós não alcançamos,

Porque está sempre onde nós a pomos,

E nunca pomos onde nós estamos.

 

"topo"

 


Mal secreto

 

 

 

Raimundo Correia

 

Se a cólera que espuma, a dor que mora

N'alma, e destrói cada ilusão que nasce;

Tudo o que punge, tudo o que devora

O coração, no rosto se estampasse.

 

Se pudesse o espírito que chora,

Ver através da máscara da face,

Quanta gente, talvez, que inveja agora

Nos causa, então piedade nos causasse.

 

Quanta gente que ri, talvez consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa...

 

Quanta gente que ri, talvez exista

Cuja ventura única consista

Em parecer aos outros venturosa.

 

"topo"

 


 

Dor Oculta

 

 

Guilherme de Almeida

 

Quando uma nuvem nômade destila

Gotas, roçando a crista azul da serra.

umas brincam na relva; outras tranqüilas

Serenamente entranham-se na terra.

 

E a gente fala nas gotinhas que erra

De folha em folha e, trêmula cintila,

Mas nem se lembra da que o solo encerra.

Da que ficou no coração da argila.

 

Quanta gente, que zomba do desgosto

Mudo, das angustias que não molha o rosto

E que não tomba, em gotas, pelo chão.

 

Havia de chorar, se adivinhasse

Que há lágrimas que correm pela face

E outras que rolam pelo coração.

 

"topo"

 


 

Cisnes

 

 

 

Júlio Salusse

 

A vida manso lago azul,

Algumas vezes mar fremente,

Tem sido par nós constantemente,

Um lago azul, sem ondas, sem espumas.

 

Sobre ele, quando desfazendo as brumas

Matinais, rompe um sol vermelho e quente,

Nós dois vagamos indolentemente,

Como dois cisnes de alvacentas plumas!...

 

Um dia um cisne morrerá por certo;

Quando chegar esse momento incerto,

No lago onde talvez a água se tisne...

 

Que o cisne vivo cheio de saudade,

Nunca mais cante, nem sozinho nade,

nem nade nunca ao lado de outro cisne!...

 

"topo"

 


 

Tuas cartas

 

 

Humberto de Campos

 

Tuas cartas rasguei uma por uma

Cento e catorze páginas e tiras

De confissão e juramento: em suma,

De perfídias, de enganos, de mentiras.

 

E chorei, ao rasgá-las! Tinha alguma

Cousa implorando contra as minhas iras

Em todas; e, hoje, irritação nenhuma

Neste peito verás, por mais que o firas.

 

Eram mentiras, eu bem sei... No entanto,

Cada rompida página era um cardo

Que enterrava no peito em cada canto.

E eis por que, pelo chão, após instantes,

Os pedaços juntei ...e agora guardo

Com mais carinho do que os guardava antes.

 

"topo"

 


 

Suavemente

 

 

 

Luiz Octávio

 

Suavemente, eu passei por tua vida.

Como um sopro de vida muito leve.

Serenamente assim minha querida

Como o cair romântico da neve.

 

Nem um "te adoro" murmurado ao medo

Nem carícias, nem beijos ao luar...

Pois era cedo, ainda muito cedo,

E agora é tarde, muito tarde para amar.

 

E tão serena e silenciosamente

Por sua vida simples eu passei

Que esquecerás aos poucos brandamente

Que tu me amaste e que também te amei!

 

"topo"

 


 

Frases de amor

 

 

 

René Zmekhol

 

Essas frases bonitas que eu já disse,

Que ela, encantada, ouviu sem responder,

Essas frases que tive que dizer,

Que ela escutou, sorrindo, com meiguice.

 

Os versos que jamais vim a escrever,

Mas disse, apenas, para que ela ouvisse,

Tudo isso, hoje, relembro. se eu mentisse,

Por certo os haveria de esquecer...

 

Eu não menti, porém; quando eu falava

Repetia o que, dentro, sussurrava

Em meu peito, estalando, o coração.

 

Ao recordar os versos, num sofrendo,

frase a frase, lembrando, me arrependo,

Pois fui sincero, mas falei em vão...

 

"topo"

 


 

Prelúdio de uma gota d'água

 

J.G. de Araújo Jorge

 

Cheia da tua ausência eu me angustio

A cada hora que passa a cada instante

pelo meu pensamento como um fio

És uma gota d'água tremulante.

 

Uma gota suspensa e cintilante

Límpida e imóvel como um desafio

Tua ausência é a beleza triunfante

Da última gota que ficou no fio...

 

As outras todas céleres pingaram

E caíram na terra onde secaram

Só tu ficaste, última gota assim...

 

Como uma estrela sem ter firmamento

Suspensa no fio do meu pensamento

E a brilhar sem cair... dentro de mim.

 

"topo"

 


 

Amor Sublime

Maria Pagano de Botana

 

Não quero um amor assim contaminado,

De incertezas cruéis inconscientes;

Ou o olhar que nos deixa triste e desolado,

Em dor mergulha o coração da gente.

 

Quero o amor em mil crenças enterrado

Amor que de esperanças se alimenta

E que isento de fel e de pecado

Seja toda ventura e sonho ardente.

 

Quero sentir a essência verdadeira

E não o falso aroma a flor traiçoeira

Cujo veneno o peito nos oprime.

 

Quero amor sem carinho, sem vaidade

Que me fale no azul da eternidade

Que seja amor, mas seja amor sublime.

 

"topo"

 


 

Ser Mulher

 

 

 

Carmen Cinira

 

 

Ser mulher não é ter nas formas de escultura

No traço do perfil, no corpo fascinante

A beleza que um dia o tempo transfigura

E um olhar deslumbrante que atrai a cada instante.

 

Ser mulher não é só ter graça empolgante

 

O feitiço absorvente, a lascívia e a ternura;

ser mulher não é ter carne provocante

A volúpia infernal que arrasta e desfigura.

Ser mulher é ter na alma essa imortal beleza

De quem sabe pensar com toda a sutileza

E no próprio ideal rara virtude alcança.

 

É ter simples e pura, os sentimentos francos

E ainda no fulgor dos seus cabelos brancos

Sonhar como mulher, sentir como criança.

 

"topo"