Você sabe preparar chás medicinais?

 

 

Popularmente, as plantas medicinais de pequeno porte são conhecidas por ervas e geralmente são utilizadas inteiras; para plantas maiores (arbustos, árvores etc.), é comum a distinção de uma parte específica a ser utilizada (raízes, folhas, frutos, sementes, flores, etc.).

Os chás, além de seu valor medicinal, fornecem água ao organismo, hidratando suas células, facilitando a eliminação de substâncias tóxicas. As preparações usuais de chás são as seguintes:

·        Por decocção: colocar as ervas secas ou frescas com água fria em um recipiente (não deve ser alumínio ou teflon). Levar ao fogo brando até levantar fervura. Deixar ferver por 3 a 10 minutos de acordo com a parte da erva que se está utilizando para o chá. Deixar em repouso por alguns minutos, coar e tomar. Este processo é principalmente indicado para raízes, caules e sementes.

·        Por infusão: levar a água ao fogo até que comece a ferver. Em recipiente que não deve ser de alumínio, despejar a água fervente sobre a erva. Tapar o recipiente e manter em repouso por 5 a 10 minutos. Coar e tomar morno. Este processo é principalmente indicado para as folhas e flores.

·        Por maceração: colocar a erva em um recipiente e deixar de molho de 10 a 24 horas a temperatura ambiente de acordo com a parte da planta utilizada, quanto mais duro o material utilizado, maior deve ser o tempo de molho. Em seguida aquecer tudo levemente, coar e tomar. Este processo é indicado para plantas ricas em óleos essenciais, vitaminas e sais minerais que podem ser destruídos pelo aquecimento. Também utilizado para raízes e casca quando se quer aproveitar de maneira mais potencializada os princípios ativos.

Na preparação, deve-se observar cuidadosamente a dosagem das partes vegetais e sua forma de uso.  As misturas de plantas no chá devem se restringir a um número pequeno de espécie com indicações e uso semelhantes, para que os princípios ativos de uma não anulem ou mude os princípios ativos da outra.

A forma de uso e a freqüência também são importantes durante o tratamento.  Não adianta ingerir um litro de chá de uma só vez, quando se deveria tomar á intervalos regulares de tempo durante o dia. Verifique a indicação da planta, se o uso e interno ou externo.

O uso contínuo de uma mesma planta deve ser evitado. Recomenda-se períodos de uso máximo entre 30 e 40 dias, com um período de descanso entre 7 e 10 dias, permitindo que o organismo desacostume-se e, também, para que o vegetal possa atuar com toda a sua eficácia. Nesse período utiliza-se uma erva similar.

Quando necessário, a adição de mel a chás e só deve ser feita depois que estes fiquem mornos ou frios.

O horário em que devem ser tomados os preparados fitoterápicos é muito importante para a obtenção dos efeitos desejados. Assim, têm-se as seguintes regras gerais:

Desjejum - preparações os laxativos, depurativos, diuréticos, emagrecedores, vermífugos.

Duas horas antes ou depois das refeições principais - preparações anti-reumáticas, hepatoprotetoras, neurotônicas e antitérmicas.

Meia hora antes das refeições principais - preparações tônicas e antiácidas.

Depois das refeições principais - preparações digestivas e contra gases.

Antes de se deitar - preparações hepatoprotetoras e laxativos.

As dosagens dos fitoterápicos caseiros variam de acordo com a idade e metabolismo de cada indivíduo. Para os chás (decocção, infusão e maceração) recomenda-se:

·        de 6 meses de idade até 1 ano = 1 colher (café) do preparado 3 vezes ao dia (somente com acompanhamento especializado e de preferência só chá de erva-doce);

·        de 1 a 2 anos = ½ xícara (chá) 2 vezes ao dia;

·        de 2 a 5 anos =  ½ xícara (chá) 3 vezes ao dia;

·        de 5 a 10 anos =  ½ xícara (chá) 4 vezes ao dia;

·        adultos  =  1 xícara (chá) 3 a 4 vezes ao dia.

 As informações sobre a dosagem de plantas medicinais são muito divergentes, principalmente quando se trata da medição de volumes com utensílios domésticos ou mesmo conversão de pesos em volumes e vice-versa. Todo cuidado é pouco. Mas isso não impede de utilizarmos as plantas medicinais, desde que, estas sejam empregadas da maneira correta.

Observações:

·                   Para o preparo dos chás, recomenda-se o uso de recipientes esmaltados, inoxidáveis, de vidro, de barro ou de louça, de preferência nunca utilizar recipientes de alumínio, cobre, estanho ou ferro, porque podem soltar resíduos.

·                   a dosagem deve ser  de uma colher de chá da erva seca ou duas de erva verde, para cada xícara de água, três vezes ao dia.

·                   Para gargarejos, inalações, compressas e outros usos externos, a concentração do chá deve ser mais forte do que para uso interno.

·                   Se tiver que adoçar o chá, use apenas mel.

·                   Para gripes, infecções pulmonares, garganta, deve-se tomar o chá quente, para outros casos, o chá deve ser morno.

·                   O chá não deve ter mais do que 6 horas de preparado, pois pode começar a formar toxinas. A quantidade preparada deve ser diária. 

·                   Deve-se tomar cuidado com plantas que só podem ser utilizadas secas, pois contém quando verdes substâncias tóxicas (como por exemplo abacateiro, carqueja, erva-de-bicho, etc.).

  Medidas auxiliares para o preparo de chás e outros:

·                   colher de café contém  =  4 gramas de raízes moídas

·                   colher de café contém  = 2 gramas de folhas frescas picadas

·                   colher de sopa contém  =10 gramas de raízes moídas

·                   colher de sopa contém  = 5 gramas  de folhas frescas picadas

·                   um punhado de folhas secas  = 35 gramas ( depende do tamanho da mão)

·                   uma xícara de chá equivale a 200 ml.

Não esquecer que grávidas devem tomar muito cuidado com chás e lactantes não esquecer que através do leite os princípios ativos serão passados para o bebê.

 

Zenaide Barcala Pires